«Há Uma Única Arte da Espada»

Uma tradução «livre e útil» do GNM HS 3227a.

Esta página está dedicada à edição em língua galega (portuguesa) do Nürnberger Handschrift GNM 3227a, também conhecido como Codex Döbringer ou Manuscrito de Nuremberga.

→ Segunda impressão! Após terminar a primeira tiragem de 100 cópias, decidimos fazer mais 100. Para distingui-las do primeira, mudamos as cores de capa e camisa (para preto e ouro). Os livros serão numerados com cifras romanas e a reimpressão é indicada no rosto, como é habitual. Verifica a galeria de imagens para comparar o design de capa de ambas as versões.

O manuscrito, criado entre finais do S.XIV e inícios do XV, é um dos textos mais antigos a recolher a tradição que denominamos Kunst des Fechtens do semi-lendário mestre Johannes Liechtenauer.

Esta arte marcial centenária, codificada com «palavras secretas» no longo poema que chamamos A Zedel, é aqui explorada e explicada pela anónima mão dum autor de finais da Idade Média: princípios fundamentais, formas de movimento, cuteladas, ataques básicos e avançados… e o segredo da gestão do espaço e tempo no contínuo Vor/Nach,
e como romper esse fluxo através do Indes, «a palavra que fundo fere».

Ao longo do texto vemos passar as armas próprias da cavalaria: a lança, a adaga, a archa e o cutelo-espada de uma mão, a luta corpo-a-corpo e, no centro de tudo, a longa espada de duas mãos, símbolo da Arte.

Luta com armadura e com roupa de rua, a cavalo e a pé, para o lazer e para defender
a vida — é impossível destacar em excesso o impacto do legado de Liechtenauer: séculos após a sua morte os mestres de armas continuavam a se reclamar discípulos dele e estruturar os seus escritos em base à Zedel.

Nesta edição presenta-se uma interpretação «livre e útil» do texto, priorizando a boa leitura do mesmo e a sua utilidade ao estudantado da Arte do Combate.  É portanto um dos textos de referência que utilizaremos nas aulas. Porém, acho que pode ser de interesse a outras pessoas a estudar a KdF.

As perto de 200 páginas do livro vêm divididas em duas partes: a primeira metade traz antetextos a descrever o manuscrito original, a política e metodologia de tradução, a bibliografia utilizada, etc. Também recolhe uma série de ensaios acerca dos diversos contextos da obra: histórico (politico, cultural e material) e teórico (a relação do textos com outras obras da KdF e as suas caraterísticas).

A segunda metade é uma tradução fólio por fólio da matéria relativa às artes marciais do HS 3227a. Tenta respeitar os espaços em branco e distribuição de texto no original, para trasladar uma das características importantes da obra: a sua qualidade de anotações, de texto inacabado.

A tradução foi desenvolvida desde o manuscrito original e duas transcrições do mesmo (Lindholm e Hagedorn). A interpretação da mesma foi comparada com seis traduções existentes do texto ao inglês (Hull, Kleinau, Lindholm, Stoeppler, Wallhausen, Zabinski). As semelhanças ou diferenças foram discutidas e documentadas profusamente em notas marginais.

Esta edição procurou balançar um preço económico com acabados cuidados que fizessem dela, também, estímulo para os sentidos. As estilizadas proporções góticas, capas e camisa em cartolina reciclada e miolo em papel de alta gramatura com certificação ecológica proporcionam a este livro presença e carácter em qualquer prateleira, mesa ou mão.

A publicação do mesmo é possível através dum acordo de colaboração com a AGEA Editora, casa especializada na produção de livros de artes marciais históricas. O livro pode ser comprado on-line na loja da Editora a preço regular, ou bem a preço descontado nas aulas e seminários da Arte do Combate. Em ambos os casos os benefícios das vendas são dedicados a continuar a investigação e divulgação das HEMA.

Ficha técnica

  • 200 páginas
  • 150×300 mm
  • ISBN: 978-84-948682-6-9
  • Autor original: anónimo.
  • Tradução: Diniz F. Cabreira.
  • Edição: AGEA Editora & Arte do Combate. Compostela, 2018.
  • Língua: galego (português).
  • Preço: 20 €.

Como comprar

Conteúdo

  • Prólogo de Carlos Quiroga
  • Limiares
    • Para quem não sabe
    • O que é a Kunst des Fechtens?
    • Este livro está escrito em portugês?
  • Antetextos
    • O 3227a: um livro de apontamentos
    • Diagrama da foliação
    • Descrição Física
    • Hipótese de criação
    • Estrutura Física
    • Notas de tradução e edição
    • Política de tradução
    • Bibliografia
  • Contexto histórico
    • A panóplia: armas e armadura
    • A panóplia: descrições e medidas
    • O ocidente Europeu no S.XIV
    • A violência na sociedade: legal, ilegal ou socialmente aceitável.
  • Contexto teórico
    • O que é a Zedel? Utilidade e credibilidade
    • Por que estudar o 3227a? Genealogia da Zedel
    • Breve Glossário
    • Caraterísticas da KdF do 3227a
    • Leger, Hutten e Hengen no 3227a
  • GNM HS 3227a
    • A Arte da Espada
    • A Zedel do Bloßfechten
    • As lições dos «Outros Mestres»
    • A Zedel do Harnischfechten
      • Fechten zu Roße
      • Fechten zu Fuße
      • Ringen
    • A Conclusão
    • Apêndices
      1. Escudo, hastes, Messer, adaga e Ringen
      2. Receitas mágicas

Trechos de amostra

O livro ao vivo

Nos mídia

Críticas e Reviews

Hoje apresentamos uma crítica sobre o trabalho de Diniz F. Cabreira, “Há Uma Única Arte Da Espada”.

Trata-se de um trabalho de tradução «livre e útil», segundo o autor, do manuscrito GNM HS 3227a, a obra mais antiga da tradição de Johannes Liechtenauer que se conhece. Também muito importante, o autor dá ao leitor uma secção sobre a natureza física da obra original: as suas dimensões e estrutura, o contexto sócio-cultural em que foi escrito e como está redigido.

A tradução está em galego, uma língua tão próxima do português que este facto não deve apresentar qualquer problema para um lusófono, seja português, brasileiro ou africano.

A obra representa um enormíssimo trabalho de tradução e interpretação técnica. As notas de tradução e edição são frequentes e valiosas para a justificação das muitas decisões de tradução que foram necessárias. Também nestas notas, o tradutor dá-nos opções alternativas de tradução com as devidas referências que também ajudam ao leitor a fazer as suas próprias interpretações.

A própria sobrecapa oferece-nos uma visão completa de da Zettel de Leichtenauer num diagrama esteticamente muito belo.

O autor também tomou liberdades no seu trabalho, algumas necessárias, outras não, mas que nunca afectam a leitura pela negativa.

Em suma, “Há Uma Única Arte Da Espada” de Diniz F. Cabreira é um trabalho de enorme valor para a comunidade lusófona de HEMA. Decerto, o 3227a não é uma obra para iniciados mas tem um valor histórico enorme, razão pela qual deve ser lido por todos os praticantes de HEMA com interesse mais sério pela prática da Artes Marciais Históricas Europeias.

— Michael Silva, do grupo de HEMA «Espada Negra» de Lisboa.

Passei o dia devorando o máximo que pude do livro. Os capítulos introdutórios que precedem o texto da Kunst são um baú de preciosas informações, me lembra muito os seus artigos d’Arte do Combate, é muito bom tê-los organizados assim em um livro físico.

Sobre o texto da Kunst, sua tradução livre e útil é muito eficiente e eficaz. Toda Arte tão bem organizada, gostosa de se ler, cumprindo um papel didático que eu diria que é a maior dádiva da sua tradução. Este livro tem que se tornar presente em todo grupo de HEMA lusófono. Caro Diniz, sou grato por esta obra, espero que ela faça todo sucesso possível.

— Daniel, do Regimento São Luís IX.

Em GoodReads